Um cara estranho

[youtube=http://www.youtube.com/watch?v=cQ4ZdOku5dg]

Abri com essa música dos Los Hermanos – de quem, aliás, nem sou fã, gosto só de algumas músicas – para falar de algo que sempre ouvi/li a meu respeito: que eu sou um cara estranho.

Sim, sou estranho! Que mal há nisso? Quem me conhece desde criança fala que eu era “superdotado”. Dizem que com dois anos e meio eu já lia. Que eu era um gênio, que eu não deveria ficar em Cabo Frio, etc. e tal (claro que eu não lembro disso: só lembro que eu lia bem na alfabetização e fui o narrador do Auto de Natal no Sagrado, em 80).

Sempre fui inteligente, boas notas. Nunca precisei estudar em casa – só no terceirão no Martins, que era bem mais puxado que aqui no Santa Rosa. Só prestava atenção na aula e pronto. Sempre foi assim. Nas faculdades que eu fiz, sempre foi assim. Mas eu sempre fui hiperativo, tenho essas coisas aí que falam, DDAH, TDAH, nunca sei as siglas. Sempre fui insone – e isso piorou depois que virei DJ, com 14 pra 15 anos.

Sou “maluco beleza”, segundo meu irmão David. Mamãe diz que eu sou “relaxado”. Papai dizia que eu era bobo por me doar aos outros e não ter nada em troca. E Elton, meu outro irmão, diz um monte de coisa também. Mas eles me amam e sabem que eu tenho muitos defeitos, mas que sou uma pessoa adorável.

[youtube=http://www.youtube.com/watch?v=SbSJy0yaeUM]

Mas eu sou estranho pros outros porque, principalmente, não ligo pro que falam de mim. Gosto de andar de Havaianas verde-limão. Uso óculos remendado, não ligo pro que os outros falam. Gosto de comer pão doce na padaria.

Gosto de mergulhar na praia quando chove. Gosto de botar som em bar (quanto mais quente o bar, melhor). Gosto de botequim, gosto da noite, do underground. Não sei andar de bicicleta, nem tocar violão. Gosto de fazer as coisas que me dão prazer, mesmo que não receba por isso. Leio jornal do final pro começo. Gosto de jogar bola descalço (infelizmente, não posso mais fazer isso).

Ah, e sou estranho. Tenho um blog, mas escrevo muito raramente. Gosto de escrever, mas não muito neste espaço. Não quero que meu blog seja mais uma obrigação pra mim além das que eu já tenho.

Daí postei sobre minhas “estranhices” no Facebook e o feedback foi bem legal. Como eu comentei lá, eu não me apego muito a rótulos. Eu faço as coisas que tenho vontade. Sempre fui muito criticado por isso – e já liguei. Hoje não ligo mais. Querem me achar estranho? Beleza. como dizia aquela canção, “tô nem aí, tô nem aí…”

Quem gosta de mim vai gostar do meu jeito. Tenho 37 anos, não sou mais criança faz tempo e nem preciso ficar fazendo média com ninguém. Sou do meu jeito.

Sim, sou estranho. Amo gente estranha. Amo meus amigos e amigas estranhos. Os que são verdadeiramente estranhos (por opção, por não se adequarem à caretice do “politicamente correto”, ou por serem assim rotulados pelos outros”.

0 Comments on “Um cara estranho”

  1. Já sei o motivo de tanta afinidade: somos estranhos. E que se danem os outros. \o/\o/
    Nunca usei sandália verde limão, mas usei bota. Hahahahaha Óculos, eu odeio..até quando preciso. Mas uma coisa é muito certa: GOSTO PRA MAIS DE METRO D’OCÊ! \O/

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *